O paradoxo da estatística

Um físico, um engenheiro e um estatístico vão caçar coelhos. De repente, um coelho aparece a cerca de 100 metros.

O físico faz alguns cálculos de balística – assumindo um vácuo perfeito, claro – e dispara. A bala acerta 5 metros à frente do coelho.

O engenheiro refaz os cálculos considerando a resistência do ar e dispara. A bala acerta 5 metros atrás do coelho.

samplingDistributionO estatístico vira-se e diz:
“CONSEGUIMOS!”.

O navio de Teseu: um paradoxo.

Imagine que você tem um barco de madeira…

navioteseuc14_E que à medida em que o tempo passa, você substitue as tábuas que se estragam por tábuas novas, mantendo as tábuas que estiverem boas.

Anos depois você acabará substituindo todas as tábuas velhas por tábuas novas.

E para você continuará sendo o mesmo barco.

Mas… e se você utilizasse essas mesmas tábuas que usaria para substituir as velhas e construísse um novo barco? Ele seria outro barco não seria?

E o seu barco original?
Ainda será o mesmo depois de tantos anos e todas as tábuas trocadas?

– – –

O mito de Teseu e o paradoxo do seu barco é uma daquelas histórias que não lhe despertou muita atenção na escola. Teseu (ou Teseus) foi um herói mítico grego, considerado como o fundador de Atenas.

Como herói grego, Teseu passou por diversas aventuras, encontrando-se com outros personagens da mitologia e com deuses em diversas histórias. O resumo da história a qual o paradoxo faz referência é a seguinte:

O Rei Minos, de Creta, tendo sucesso na guerra contra Atenas decretou que de nove em nove anos 14 jovens atenienses deveriam ser enviados até o labirinto do Minotauro – aquela besta de corpo de homem e cabeça de touro – para que fossem devorados pelo mesmo. Partindo para Creta em barcos com velas negras, por duas vezes jovens atenienses foram sacrificados.

Na terceira vez, Teseu se voluntaria para ir com a promessa de que iria liquidar o Minotauro e, caso tivesse sucesso, iria voltar à Atenas com velas brancas no barco, anunciando seu triunfo. Teseu venceu a luta contra o Minotauro e retornou para Atenas com todos os outros 13 jovens. O barco foi guardado e deixado em exibição.

O barco foi mantido como relíquia ao longo de séculos e, pouco a pouco, suas partes originais eram substituídas a medida em que iam apodrecendo. No final de vários anos todas as partes do barco original haviam sido trocadas e do barco original que estava em exibição no porto de Atenas não restava um único pedaço.

A pergunta que os filósofos se faziam é: esse barco, dado que as partes foram substituídas, se não inteiramente mas pelo menos a maior parte do original, é o verdadeiro? Portanto, quando se fala em barco de Teseu (ou modernamente no navio de Teseu), em filosofia se faz referência à natureza das coisas, das suas essências.

Algum paradoxo semelhante na sua vida?

O paradoxo da aceleração do tempo

É senso comum que 2014 passou rápido, muito rápido. Voando!

O tempo está acelerando? Certamente não! Um dia continua tendo 24 horas, 1 hora ainda vale 60 minutos e, acreditem, cada minuto ainda tem 60 segundos.

time-managementMas que temos a sensação de que o tempo passa mais rápido, ah isso temos! Existem inclusive explicações biológicas para isso: à medida que envelhecemos, acredita-se que cai a produção cerebral de dopamina, um neurotransmissor responsável pela sensação de energia e disposição… e esse processo pode desacelerar nosso relógio biológico.

Uma experiência apresentada pelo neurocientista americano Peter Mangan mostrou como isso ocorre. Ele dividiu voluntários em três grupos etários que deveriam lhe avisar quando 60 segundos houvessem passado.

Os jovens levavam, em média, 54 segundos. Os mais velhos, 67 segundos. Ou seja, os idosos eram surpreendidos pela informação de que um minuto inteiro transcorrera antes que eles se dessem conta. Isso explicaria, por exemplo, por que avós reclamam que “o ano passou rápido e já é Natal novamente” enquanto as crianças sofrem com a longa e demorada espera pela chegada dos presentes.

O fato é que há uma sensação generalizada de que não conseguimos fazer tudo que queremos. Os segundos que esperamos para baixar uma revista no nosso tablet, parecem intermináveis. E xingamos os incompetentes que fizeram esse aplicativo “lento”. Nem nos damos conta que antes precisávamos ir até uma banca para comprar a mesma revista e demorávamos muito mais. E talvez tomássemos chuva no caminho…

O que mais nos falta, em uma era em que tudo é complexo e em que somos bombardeados com toneladas de informação a cada minuto, é tempo. E como falta tempo, a sensação é de que ele está acelerando.

Portanto, cuide muito bem do seu tempo. Vai piorar…