Numi: quebrando paradigmas da higiene pessoal?

numi.png

O Numi é um banheiro totalmente conectado à Internet, que promete mais conforto para quem pode investir no sistema, que tem preço de US$ 5.625 (aproximadamente R$ 18 mil, em conversão direta). Compatível com a Alexa da Amazon, o banheiro smart atende a comandos de voz e permite aquecer a tampa da privada previamente.

Outras funções incluem a reprodução de música, aquecimento do piso e um sistema desodorante. Além disso, há um mecanismo de água para o bidê, que permite alternar jatos entre modos “onda”, “pulsar” e “oscilação”.

O problema de Monty Hall

097ba3f9eb2ece25c182f9dd9652f2d82962675e

No final dos anos 80, o humorista Sérgio Mallandro apresentava o programa infantil Oradukapeta, no SBT. O quadro mais popular do programa era a “Porta dos Desesperados”, onde crianças da plateia escolhiam uma entre três portas. Atrás de uma delas havia prêmios, e das outras duas, monstros fantasiados.

Agora vamos lá, suponha que você é um participante e escolheu a porta 1. Outro participante escolhe a porta 2 e a abre primeiro, revelando um monstro. Quando o apresentador pergunta se você deseja trocar a porta selecionada, qual seria a melhor decisão?

Muitas pessoas diriam que a chance de encontrar um prêmio é agora de uma chance em duas, e que tanto faz qual for a decisão final. Mas em 1975, nos Estados Unidos, a escritora Marilyn vos Savant disse em sua coluna na revista Parade que, em uma situação similar, o participante deveria optar por trocar de portas.

Segundo ela, a troca levaria a uma probabilidade de 2/3 de ganhar o prêmio, enquanto a chance de levar a melhor ao permanecer com a escolha inicial seria de apenas 1/3. Isso acontece porque, ao escolher uma porta, a chance de acerto é inicialmente de 1/3. Já tendo sido revelada uma porta falsa, caso a troca seja efetuada, deve-se somar ao 1/3 de chance da porta restante, o 1/3 de probabilidade que era conferido à porta revelada, chegando então a duas em três chances de acertar.

Muitos leitores, entre eles especialistas, não foram convencidos pelas explicações da colunista, e escreveram à revista alegando que a proposta deveria estar errada. Com a polêmica, foram conduzidas simulações e provas matemáticas foram desenvolvidas para mostrar que, apesar de fugir ao senso comum, vos Savant estava certa.

O problema de Monty Hall ganhou o nome do apresentador do programa de TV Let’s Make a Deal, que funcionava com uma dinâmica bem próxima à da Porta dos Desesperados, de Sérgio Mallandro.

É um paradoxo classificado como verídico pelo sistema do filósofo e lógico Willard Van Orman Quine, já que apresenta resultados tão pouco intuitivos que parecem absurdos, mas que são demonstrados como verdadeiros.

Parece absurdo para você?

A unanimidade é burra (o paradoxo do consenso)!

E09023E9-E8D9-4F22-AB4E-C66440E7F610

Você já deve ter ouvido falar que “a unanimidade é burra”, o que para muitos pode soar como um paradoxo. Se todos em um determinado grupo de pessoas tem a mesma atitude ou pensamento, como isso pode ser algo ruim ou levar a decisões equivocadas?

Para explicar podemos usar como ilustração o que popularmente se chama de “efeito manada”. E podemos partir da definição de “manada” encontrada em dicionários:

Rebanho de gado; conjunto composto por um grande número de cavalos e bois.
Conjunto de pessoas que se comportam sem expressar sua opinião ou vontade.

A expressão “efeito manada” tem origem no comportamento animal: quando um animal começa a correr por ter visto um predador, todos os outros animais do bando começam a correr também, mesmo que não tenham visto o predador. Por instinto, correm juntos.

E nós humanos temos o mesmo comportamento instintivo. Imagine que você está em um estádio de futebol, ou em qualquer lugar público e muitos começam a correr em determinado sentido. Você não vai ficar parado. Vai começar a correr junto, no mesmo sentido, sem nem saber porquê.

É comum, nas oscilações das bolsas de valores, como outro exemplo do “efeito manada”, muitos sairem comprando ou vendendo determinada ação simplesmente porque alguns fizeram primeiro. E as pessoas, em geral perdem muito dinheiro nesses movimentos irracionais. Ganham apenas os primeiros, que motivaram ou iniciaram o movimento.

Pois bem, em grupos onde um determinado tema é discutido, se houver consenso rápido ou fácil, o “efeito manada” estará presente. Por preguiça de pensar sobre o tema ou por vergonha de divergir, a maioria concordará com a parcela mais influente ou determinada do grupo, sem avaliar adequadamente o acerto ou a racionalidade da decisão, segundo o seu próprio ponto de vista.

Alguma semelhança com o “efeito manada”?

Nietzsche escreveu: “A loucura é uma exceção nos indivíduos, mas a regra nos grupos.” O escritor francês Gustave Le Bon, escreveu diversos tratados sobre a selvageria coletiva entre o final do século 19 e começo do século 20.

Para que grupos possam ser mais inteligentes e assertivos do que a maior parte dos indivíduos isoladamente, é necessário que as experiências individuais sejam somadas e que se produza uma média a partir delas. O jornalista James Surowiecki relata esse fenômeno em seu livro “A Sabedoria das Multidões”.

Enfim, para que grupos tomem boas decisões é preciso que atendam a duas condições: independência e diversidade de opiniões. Caso contrário tomarão em geral decisões irracionais. É preciso que cada membro pense, aja e decida da maneira mais independente possível, por mais paradoxal que isso possa parecer.

Boas decisões nascem da controvérsia, da contestação e da crítica.

 

 

 

 

O apagão vem aí. E é só o começo…

image

62% dos 363 empreendimentos para expansão da rede elétrica no País estão atrasados ou quase parados. Mas o problema não é só na transmissão. Fiscais da Aneel projetam provável “restrição de geração no período de novembro de 2016 a julho de 2017”.

E quanto mais tempo ficarmos em crise, mais difícil será a retomada quando a economia voltar a crescer. Em outras palavras, quando a economia voltar a crescer o crescimento será tão mais lento quanto mais tempo ficarmos em crise agora.

a) Porque na crise os investimentos públicos são paralisados e se desalinham. E retomá-los demora muito. b) Porque na crise empresas fecham ou se desestruturam e demorarão mais tempo para responder ao crescimento da demanda. c) Porque na crise os investimentos estrangeiros vão embora e demoram muito tempo para voltar. E ainda é tempo de salvar alguns que ainda não retornaram às pátrias de origem.

– – –
As perspectivas não são boas para 2016. E se não colocarmos a economia no rumo certo rápido, não serão boas para os próximos 3 anos.

A tecnologia na gestão das cidades: Criar inteligência é o caminho para evitar o caos

-dois-sentidos-da-avenida-23-de-maio-proximo-ao-parque-do-ibirapuera-zona-sul-de-sao-paulo-no-final-da-tarde-desta-sexta-feira-26-1374882

Um levantamento das Nações Unidas mostra que as grandes cidades vão inchar ainda mais. A procura cada vez maior por áreas urbanas será inevitável.

Em 2014, 54% da população mundial vivia em áreas urbanas. Em 2020, serão 66%, prevê a ONU. Para especialistas, a saída é criar cidades inteligentes.

Isso requer espalhar sensores de monitoramento e usar dados sobre a população para melhorar os serviços, um cruzamento entre a internet das coisas e o chamado Big Data.

Na Coreia do Sul, a cidade de Songdo está sendo erguida do zero. As casas contam com um sistema de tubos que suga o lixo e o manda para centros de reciclagem, dispensando os caminhões de coleta. E os serviços médicos funcionam pela internet 24 horas por dia.

Em Nova York, a polícia testa um equipamento acústico que identifica a ocorrência de tiros e envia alertas para os policiais por meio de smarpthones e tablets.

E no Brasil? O que estamos fazendo para que as grandes cidades ganhem inteligência?

Aqui não é o Japão! Falta cultura, falta educação.

1475782_1258903047469634_2281857099144905407_n

Quando eu falo que o brasileiro médio não tem educação e não tem cultura, todos caem de pau em cima de mim e chovem críticas!

Pois bem vou repetir: na média e na moda, estatisticamente falando, o brasileiro não tem educação e não tem cultura!

Vide o deplorável estado das praias brasileiras (todas!) no day after do reveillon 2016! Mas essa é somente a ponta do iceberg. Tem muito mais. Preste atenção em qualquer terreno vazio da sua cidade… via de regra, estará cheio de lixo. E os motoristas que jogam garrafas de água e latinhas de cerveja enquanto dirigem?

Tenho fé que um dia voltaremos a educar nossas crianças da forma correta, cobrando, exigindo desempenho, ensinando o certo e o errado. Ensinando cidadania, ensinando respeito ao próximo.

Tenho fé que um dia voltaremos a chamar os pais na escola para avisar que o filho não vai bem e que a família precisa ajudar os professores. E que os pais, quando isso acontecer, ao invés de brigarem com os professores defendendo o “meu filho”, se postarão ao lado dos professores e ajudarão na educação (o que aliás é dever e obrigação dos pais e da família).

Tenho fé que uma dia a escola volte a ser escola de verdade.

Só assim poderemos começar a mudar a triste realidade da educação e dos valores morais e éticos do povo brasileiro. Porque essa geração já não tem mais jeito… vai morrer sujando tudo e se achando com razão.

Ah que inveja do educado povo japonês, que sai da praia com o seu lixo dentro do saquinho e deixa tudo limpo quando vai embora. Mas muitos dirão: – Aqui não é o Japão. Não há como comparar!

De fato!

Infelizmente em se tratando de cultura e de educação, aqui não é o Japão!